... ou a arte de bem fazer política à portuguesa
Domingo, 16 de Agosto de 2009
Porque hoje é domingo...

 

 


tags:


Sábado, 15 de Agosto de 2009
Sugestão de visita

 

Museu do Douro

Régua

 

 

Localizado à beira-rio, com entrada pela Rua da Ferreirinha, um espaço bastante agradável onde, de terça-feira a domingo, é possível descobrir o muito que há para conhecer sobre o passado, o presente e o futuro da Região Demarcada do Douro.

 

 

 




Sexta-feira, 14 de Agosto de 2009
Querem fechar a minha escola!

Fui uma das crianças que inaugurou a actual escola primária de Canelas, no concelho da Régua, corria o ano de 1981. Foi aqui que frequentei a primeira classe. Guardo gratas recordações desse ano. Da professora Olga. Das brincadeiras no recreio quando não chovia (nessa altura, não havia ainda o telheiro). Dos lanches no intervalo: as tradicionais carcaças com queijo ou fiambre e o pacote de leite com chocolate. Das idas atrás dos arbustos para nos aliviarmos (também não havia casas-de-banho). Foi, também por isso, com tristeza que recebi a notícia de que o Governo vai fechar esta escola. Esta e mais uma quantas no concelho e concentrar as crianças num parque escolar que está a ser construído na Régua. Em nome do quê? Certamente, não em nome do bem-estar, da segurança e educação dos alunos. Estas crianças, que actualmente estão a 5 ou 10 minutos de casa, terão que enfrentar viagens diárias superiores a uma hora, na melhor das hipóteses. Com todos os custos financeiros associados. Estas crianças, que actualmente além de estarem sob vigilância das funcionárias, estão também debaixo de olho de familiares e da comunidade em geral, passarão a estar mais desprotegidas. Estas crianças deixarão de animar a freguesia com os seus sorrisos, as suas correrias e as suas brincadeiras.




Quinta-feira, 13 de Agosto de 2009
Canelas do Douro

É triste chegar à terra que nos viu crescer e ver que se degrada de ano para ano. Uma terra cheia de potencialidades, de gente capaz, mas que parece viver amorfa, indiferente ao bem comum como os de outrora, de costas voltadas para a coisa pública, mais preocupada com o seu próprio umbigo como se tudo o resto não lhes dissesse respeito. Aqui, em Canelas, no concelho da Régua, uma vila cheia de História e cheia de histórias, o património construído está votado ao esquecimento e parece que ninguém se importa. A fonte, mais do que centenária, antigamente um dos centros da vida freguesia, encontra-se no estado documentado na foto há vários dias sem que as autoridades responsáveis façam o que quer que seja para resolver o problema do escoamento das águas. O antigo fontanário da Lameira, desactivado desde que o sistema de abastecimento público de água chegou às casas dos canelenses, está meio destruído, em vez de ter sido preservado para memória futura de como o povo se abastecia de água para casa e para as hortas. Há mais de três anos que oiço falar na instalação de uma biblioteca na antiga escola primária (já desactivada), propriedade da Junta de Freguesia, mas até ao momento, nada avançou. Por que será? Que eu me lembre, Canelas já teve um agrupamento de escuteiros, uma equipa de futebol e um grupo folclórico. Tudo isto desapareceu! Os descendentes do General Silveira, desse homem que ajudou a expulsar as tropas de Napoleão das terras transmontanas, estão a hipotecar o futuro da vila e parece que não há ninguém preocupado com isso!




Quarta-feira, 12 de Agosto de 2009
O interior sempre esquecido

É inadmissível que um automobilista que saia na A1 em Coimbra e se diriga à Régua via IP3 e A24 tenha ao seu dispor apenas duas áreas de serviço: uma a cerca de 10 quilómetros de Santa Comba Dão (IP3) e a outra em Castro Daire Norte (A24), sem que haja qualquer indicação pelo caminho. O automobilista desprevenido vê-se, assim, obrigado a sair destas vias rápidas e a procurar postos de combustível nas povoações vizinhas. Já para não falar na falta que fazem zonas de descanso e de restauração. O interior sempre esquecido!




Terça-feira, 11 de Agosto de 2009
Vendedores da beira da estrada

Há locais mais propícios do que outros, mas, com a chegada do verão, quase todas as estradas nacionais recebem nas bermas os comerciantes de ocasião. Sejam os vendedores de fruta, em especial de melão, sejam de apetrechos de praia, caracóis (é verdade!) e até mesmo de lenha para a lareira. Algumas destas bancas até já têm terminais de multibanco. Não consta que alguma vez a ASAE se tenha ocupado a inspeccionar as condições em que este comércio se realiza. Já viu muito bom melão exposto em cima de camionetas com o sol a bater-lhe todo o dia com toda a força. Mesmo assim, há sempre quem compre! A crise a isso obriga? 




Segunda-feira, 10 de Agosto de 2009
Crime & Castigo

João (vamos chamar-lhe assim) há muito que era conhecido no bairro por ser um bom malandro. Não queria estudar, nem trabalhar, mas tal nunca foi impeditivo de ter o que queria. Há falta de dinheiro, dedicava-se ao furto. Furtava pequenas coisas, desde leitores de CD, telemóveis, mp3, mas principalmente bicicletas.Tinha um fascínio por bicicletas. Sempre que alguma desaparecia de algum quintal, logo o dedo era apontado a João. Sábado, João furtou mais uma bicicleta, mas, desta vez, a aventura não acabou bem. Por simples azar da vida ou desatenção, João caíu da bicicleta, bateu com a cabeça no chão e morreu.  




Domingo, 9 de Agosto de 2009
Porque hoje é domingo...

 

 


tags:


Sábado, 8 de Agosto de 2009
Sugestão de passeio

Para quem não conhece, mas também para quem conhece o Douro, fazer a ligação entre a Régua e o Tua num comboio histórico é uma experiência a não perder. Todos os sábados, até Outubro, com partida marcada para as 14.46 horas na estação da Régua, sai um comboio a vapor (ou a diesel, dependendo das condições climatéricas) para uma viagem de 46 quilómetros a 30 quilómetros à hora. Pelo meio, muita animação. O único senão, a meu ver, é o preço do bilhete, nada convidativo: 43 euros por pessoa! Mas que a viagem vale a pena, vale!




Quinta-feira, 6 de Agosto de 2009
Afinal, em que ficamos?

 

No painel gigante instalado à entrada do viaduto do Trancão na A1, em Sacavém, a Brisa informa os automobilistas que as obras de beneficiação terminam a 24 de Agosto. Hoje, em comunicado, anuncia que, afinal, os trabalhos de pavimentação "estavam previstos apenas para o final do mês de Setembro". Mas para "minimizar os impactes para os automobilistas" alguém decidiu que, afinal, o melhor é fazer tudo de seguida. O que significa que o estaleiro só será desmontado a 13 de Setembro (se tudo correr dentro do prazo!).

 

O cidadão comum pergunta:

- que lógica tinha o pavimento do viaduto sobre o rio Trancão só ser beneficiado mais de um mês após a conclusão das obras de reforço do viaduto?  

 

- até lá, manter-se-iam os constrangimentos de trânsito?

 

Como diria o outro, "cabecinha pensadora"!




Me, myself & I
Pesquisar neste blog
 
Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


Posts recentes

Porque hoje é domingo....

Porque hoje é domingo...

Porque hoje é domingo....

Sugestão de solidariedade

Sugestão de solidariedade

Haja coerência!

Dar o exemplo

Porque hoje é domingo...

Sugestão de passeio

Porque hoje é domingo....

Memórias

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

tags

todas as tags

Outros Jamé!
Bibliografia
"Génese e desenvolvimento do movimento feminista português (1890-1930)", dissertação de mestrado em História do século XX, FCSH/UNL, Abril de 2005
Em co-autoria: "Memórias da Siderurgia - Contribuições para a História da Indústria Siderúrgica em Portugal", coordenação Maria Fernanda Rollo, ed. História e Câmara Municipal do Seixal, 2005
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds