... ou a arte de bem fazer política à portuguesa

Quarta-feira, 17 de Junho de 2009
Quem é o verdadeiro Sócrates?

 Foi um primeiro-ministro totalmente transformado aquele que hoje se mostrou em entrevista a Ana Lourenço, no "Dia D - Especial", na SIC e SIC Notícias. Depois da pesada derrota eleitoral nas europeias do dia 7, a José Sócrates pouco mais resta do que fazer mea culpa e mostrar um pouco de humildade se ainda alimenta esperanças de conseguir uma vitória nas próximas legistalivas. Mesmo que esta alteração de postura e de discurso resultem apenas de estratégias de marketing político há muito conhecidas. Sócrates revelou-se um verdadeiro actor, com uma capacidade de transfiguração impressionante, tão impressionante que é capaz de confundir o eleitoral. Afinal, qual é o verdadeiro primeiro-ministro de Portugal? Aquele de durante quatro anos defendeu acerrimamente as políticas do seu Governo, que nunca admitiu qualquer erro de governação, que se insurgiu contra tudo e contra todos, com discursos bastante inflamados? Ou este que agora, à beira do abismo, admite que tomou decisões erradas, que fala com a voz por vezes embargada, que já pouco gesticula, que aceita muitas das críticas que lhe foram feitas ao longo dos últimos quatro anos? Qual destes é o verdadeiro Sócrates? 




Sexta-feira, 20 de Março de 2009
O anúncio da polémica

O anúncio irritavamente profundamente porque não conseguia perceber que raio de mensagem pretendia transmitir. Tanto a forma como o conteúdo me pareciam totalmente despropositados para publicitar um serviço de notícias e, talvez por isso, não me tenha apercebido dessa mensagem subrepticia contra um dos maiores valores da democracia: o direito à manifestação! A polémica que estalou em torno deste spot publicitário, transmitido amiudadas vezes na RTP, é manifestamente exagerada quando comparada com tantos outros filmes publicitários que passam nos canais de televisão e de rádio, que são publicados nos jornais e revistas e mesmo na Internet. Alguns são verdadeiros atentados a direitos constitucionais e ninguém os critica. Desta vez, só porque o Governo menosprezou a grandeza da manifestação da GGTP da semana passada, considera-se que o anúncio faz parte de uma campanha negra contra quem quer manifestar-se contra o Executivo de Sócrates.




Domingo, 15 de Fevereiro de 2009
Porque hoje é domingo...

José Sócrates: descubra as diferenças

 

 

 




Sábado, 2 de Fevereiro de 2008
As verdades socráticas
  1. Sócrates não gosta dos jornalistas. Especialmente dos jornalistas que não se cansam de procurar a mais pequena nódoa que seja nas vidas profissionais daqueles que compõem o seu Governo e/ou nos processos de decisão ou nos corredores de São Bento. Se a nódoa tornada pública diz especificamente respeito ao primeiro-ministro trata-se logo de "um ataque pessoal e político" da parte do jornalista e do órgão de comunicação social para o qual trabalha. Assim é, diz Sócrates, no caso das reportagens ontem e hoje editadas pelo Público, da autoria de José António Cerejo; assim foi quando se descobriu que José Sócrates não é licenciado em Engenharia, e em tantos outros casos. O perfeccionismo do primeiro-ministro não lhe permite (nem intimamente) admitir que às vezes também erra, consciente ou inconscientemente, e que não lhe é permitido, de facto, controlar tudo e todos, por muito que se esforce nesse sentido e mesmo que para tal tenha que atropelar a lei. 
  2. Veja-se o caso do semanário Sol, que se viu obrigado a processar o Governo por este se recusar a fornecer informações sobre os contratos que o Executivo celebrou com advogados nos anos de 2005 e 2006.O Supremo Tribunal Administrativo (STA) deu razão ao semanário considerando a postura do Governo "inaceitável", por se tratar de "uma verdadeira denegação do direito de acesso às informações pretendidas". Mais: o STA considera "que, a terem sido contratados advogados e juristas, foram-no com a utilização de dinheiros públicos, relativamente aos quais qualquer dicadão tem o direito de saber como foram gastos, e que, tratando-se de informação não reservada, a Administração está obrigada a prestá-la".
  3. Raros deverão ser os jornalistas que nunca se sentiram pressionados por membros do Governo a não publicarem determinada informação ou a desmentir uma notícia publicada. Eu já fui, por um assessor de um ex-ministro deste Governo, que queria obrigar-me a "rectificar" alguns dados publicados só porque estes eram desfavoráveis ao senhor ministro. Os dados eram "tão falsos" que o senhor assessor nem se atreveu a pedir a rectificação ao abrigo da Lei de Imprensa, o que nos obrigaria, de facto, a rectificá-los. Penso que isto diz tudo! 

Jamé...:
Música: F.C. Porto vs U. Leiria na SportTv1


Terça-feira, 29 de Janeiro de 2008
Sócrates e as fitas p'rà televisão!

Mais uma vez, o primeiro-ministro insurgiu-se contra as manifestações promovidas pela CGTP, garantindo que estas não o afectam. Desta vez foi anteontem, no Porto, onde Sócrates presidiu à criação do Instituto de Investigação  e Inovação em Saúde (I3S). O primeiro-ministro desvalorizou o protesto levado a cabo por cerca de 50 apoiantes da CGTP, dizendo que eram apenas fitas para a televisão. José Sócrates deve saber do que fala. Qualquer apresentação pública de uma nova medida ou o lançamento de um novo projecto do Governo são preparados ao mais ínfimo pormenor, como se de uma peça de teatro se tratasse, para que tudo fique bem no retrato. Enquanto jornalista, tal como vários colegas da imprensa escrita, já apanhei muitas "secas" porque as cerimónias oficiais nunca começam sem a presença das camâras de televisão. E o que dizer da apresentação pública do Plano Tecnológico, no ano passado, no Centro Cultural de Belém, quando o Governo contratou 10 crianças (a quem pagou 30 euros) para que fossem figurantes nessa mesma cerimónia? 

Mais grave do que um primeiro-ministro com memória curta, é um primeiro-ministro que considera que o povo não tem memória!


Jamé...:
Música: Programa "Bola Branca" na Rádio Renascença


Sábado, 26 de Janeiro de 2008
A manifestações loucas, orelhas moucas

Quando um primeiro-ministro diz estar "muito habituado a manifestações" e que estas em nada o afectam, como José Sócrates admitiu hoje, em Évora, é porque algo vai realmente mal na política. As manifestações, mesmo aquelas que alegadamente são organizadas por estruturas sindicais, são sintoma de que algo desagrada a determinado sector da população e não deveriam, por isso, ser menosprezadas. Neste caso concreto, aos sindicalistas juntaram-se utentes do Centro de Saúde de Vendas Novas, que reclamavam o seu funcionamento 24 horas por dia. Numa altura em que a política da saúde está a ser fortemente contestada, em que diariamente são tornados públicos casos de mortes alegadamente provocadas por deficiente socorro ou assistência médica, ouvir da boca de um primeiro-ministro que as manifestações em nada o afectam é o mesmo que dizer aos portugueses que não têm direito a ter voz, a criticar o que acham que deve ser criticado e a exigir que o Governo, eleito por este mesmo povo, cumpra o que prometeu. José Sócrates comporta-se cada vez mais como um ditador e não como um chefe de um Governo democrata, como tanto gosta de apregoar. Já é mais do que tempo de descer do seu pedestal e de visitar o país real, de ouvir as dores do povo e conhecer as suas reais condições de vida. A não ser que se prepare para fazer como o outro que, quando tomou consciência de que o barco estava mesmo à deriva, foi o primeiro a abandoná-lo e refugiou-se na Europa. Nessa Europa à qual dizemos pertencer, mas da qual todos os dias estamos um pouco mais afastados. 


Música: Relato do Guimarães vs Benfica, na TVI


Me, myself & I
Pesquisar neste blog
 
Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


Posts recentes

Quem é o verdadeiro Sócra...

O anúncio da polémica

Porque hoje é domingo...

As verdades socráticas

Sócrates e as fitas p'rà ...

A manifestações loucas, o...

Memórias

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

tags

todas as tags

Outros Jamé!
Bibliografia
"Génese e desenvolvimento do movimento feminista português (1890-1930)", dissertação de mestrado em História do século XX, FCSH/UNL, Abril de 2005
Em co-autoria: "Memórias da Siderurgia - Contribuições para a História da Indústria Siderúrgica em Portugal", coordenação Maria Fernanda Rollo, ed. História e Câmara Municipal do Seixal, 2005
É @ visitante nº...
Free Counter
Free Counter
Publicidade

Visit Animal friends from Europe
Locations of visitors to this page
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds