... ou a arte de bem fazer política à portuguesa

Sábado, 28 de Março de 2009
Sugestão de Passeio

                                                                                 Para quem co

nhece e que não conhece, recomendo vivamente uma visita à cidade do Porto. Com a mente livre de preconceitos, a máquina fotográfica ao peito e muita vontade de caminhar. O Porto tem muito que se ver, sentir e cheirar. Verdadeiramente imperdível!

 

 

 


tags: ,


Quinta-feira, 26 de Março de 2009
Mau serviço dos STCP

Por força das circunstâncias, esta semana tornei-me cliente diária dos STCP (Serviço de Transportes Colectivos do Porto) e fiquei muito desiludida. A começar pelos autocarros, que têm o corredor tão estreito que mal dá para uma pessoa se encaixar, quanto mais se cruzar com outra, e a acabar pela inexistência de pegas nos varões horizontais onde as pessoas de mais baixa estatura de possam segurar quando viajam em pé.

 

 

Mas a pior experiência ocorreu esta tarde, a meio caminho de casa. O autocarro em que seguia foi abalroado por uma viatura ligeira de mercadorias. Nada de muito grave, apenas chapa, e a condutora do outro veículo deu-se imediatamente como culpada. Mas, claro, houve que perder tempo a preencher a papelada e a paciência dos passageiros, cansados após um dia de trabalho ou de estudo, facilmente se esgotou. E com razão!

 

 

Apesar de o motorista ter comunicado à empresa que tinha sofrido um acidente, no local X e que tinha passageiros a bordo, os STCP não enviaram um veículo de substituição, de modo a que os passageiros (que tinham já pago a viagem) fossem o menos possível penalizados com o acidente. Pior ainda foi o facto de o autocarro da mesma carreira que fazia o horário seguinte ao do nosso, ter passado pelo colega acidentado e ter, pura e simplesmente, ignorado, quer o colega, quer os passageiros que este transportava. Uma verdadeira falta de respeito para com os passageiros por parte de uma empresa que se diz moderna e atenta às necessidade dos seus clientes!




Quarta-feira, 4 de Fevereiro de 2009
SPOOOORTIIIING

Confesso que até me custou um pouco a acreditar, mas é mesmo verdade!

 

O Sporting VENCEU o F.C. Porto por 4-1 nas meias-finais da Taça da Liga e segue em frente!

 

 

Ah, Leão!




Terça-feira, 11 de Novembro de 2008
Erros de arbitragem: Sporting vs F.C. Porto

Antes que digam que estou ressabiada pela derrota do Sporting frente ao F.C. Porto no domingo passado, em jogo a contar para a Taça de Portugal, esclarenço que não sou só eu quem diz que o árbitro Paulo Paixão cometeu erros grosseiros durante a partida. A própria Comissão de Arbitragem da Liga de Clubes vai castigar o árbitrocom dois jogos de suspensão no campeonato, o que implica a perda de 2200 euros. E Paulo Paixão é já reincidente neste tipo de castigo.

 

 

Bem sei que errar é humano e só não erra quem não faz, mas, de facto, algo deve mudar na arbitragem portuguesa. Além, de que serve admitir que um árbitro errou, castigá-lo se nada disso terá influência no resultado do jogo no qual foram cometidos esses erros? Até que ponto não será justo/admissível a repetição do jogo?


Jamé...:


Domingo, 2 de Novembro de 2008
Porque hoje é domingo...

... e o Sporting ontem ganhou ao Rio Ave e o F. C. Porto perdeu na Figueira da Foz (eh! eh! eh!)...

 

Este ano, fui ao Salão Internacional Erótico de Lisboa. Foi a minha primeira vez. No salão, esclareça-se. Fui em trabalho, mas com grandes expectativas. Um evento com tanto sucesso (consegue arrastar cerca de 40 mil pessoas em três dias, apesar de a entrada custar 20 euros) devia ter algo de muito... excitante... para oferecer. Mas saí desiludida. Percebi, finalmente, porque é que são poucas as mulheres que vão ao Salão Erótico (que é mais pornográfico do que erótico). Este é concebido por homens para homens. A maioria dos espectáculos são protagonizados por mulheres que se despem integralmente. Os strippers masculinos ficam sempre de tanga. Como é que nós, mulheres, vamos saber que aquele volume que apresentam é mesmo deles? Como saber que não é artificial? Por que não podemos nós, mulheres, ter também o privilégio de ver um homem totalmente nú? Granda tanga! É verdade que fiquei a conhecer algumas novidades em termos de produtos eróticos e a saber que em Janeiro começará a ser publicada uma revista erótica dirigida ao público feminino. Mas achei pouco. Muito pouco. Quero mais. Muito, muito mais!

 

E já que estamos a falar de erotismo, sexo, pornografia e afins, deixo aqui um conselho a todos os quanto queira concretizar as suas fantasias: be carefull! Nunca se sabe como é que estas podem acabar... vejam o caso deste moçoilo.

 




Quarta-feira, 29 de Outubro de 2008
Muralha de aço

Um dos principais atractivos de Lisboa é o Tejo e a relação que a cidade estabelece com este. Depois de décadas de costas voltadas para o rio, aos poucos a cidade foi-se aproximando do Tejo e hoje existem várias áreas na zona ribeirinha onde podemos usufruir de agradáveis momentos de lazer. Eu, por exemplo, quando preciso de momentos de reflexão costumo estacionar o carro na zona das Docas. Dá-me paz olhar para o balançar das águas, ver os navios a navegar, as gaivotas a grasnar...

 

 

Como tenho esta visão idílica do Tejo, custa-me entender que o queiram esconder, principalmente quando se recorre a argumentos económicos. Como acontece com o projecto hoje apresentado pela Administração do Porto de Lisboa na Câmara de Lisboa e que prevê a triplicação da capacidade de armazenamento de contentores. Melhor dizendo, a construção de uma verdadeira muralha de aço que afastará o rio das pessoas. Um projecto apresentado como um facto consumado, tendo em conta que o Governo aprovou já, sem recurso a concurso público, o prolongamento da concessão à Liscont, do Grupo Mota Engil, onde é administrador um antigo ministro do PS, Jorge Coelho.

 

As obras de ampliação durarão (previsivelmente) seis anos, período durante o qual será interdito o acesso ao rio pela zona das Docas, o que colocará em risco o emprego de quem trabalha nos bares/discotecas/restaurantes da zona. Tendo em conta que um relatório do Tribunal de Contas, datado de Setembro de 2007, refere que a Administração do Porto de Lisboa "apresenta desafogadas capacidades instaladas e disponíveis, para fazer face a eventuais crescimentos do movimento de contentores", menos ainda se entende a razão de ser deste projecto. A não ser devido a interesses económicos.




Sábado, 15 de Março de 2008
Celebrar o quê?

O Governo e os militantes do PS juntaram-se hoje no Pavilhão Académico, no Porto, para celebrar os três anos de mandato do executivo. Um encontro onde não se falou dos (vários) erros cometidos, porque não vale a pena perder tempo com estes, como sublinhou, durante a semana Vitalino Canas, mas sim das medidas consideradas "positivas, sérias e corajosas" e do futuro de Portugal. Foi a festa da celebração rosa, onde só tiveram lugar aqueles que têm o cartão de cliente. Os outros, os milhares de portugueses que se sentem enganados por este Governo, que sofrem diariamente na pele as consequências das tais medidas "positivas, sérias e corajosas" não tiveram direito a participar na festa. Será que o Governo só governa para o PS?!

 

 

Mas o que há para celebrar?

- o aumento da taxa de desemprego?

- o aumento da taxa de inflacção?

- o aumento dos juros do crédito à habitação?

- a redução real dos salários?

- a fuga de muitas empresas para a Europa de Leste?

- a fuga de grandes crânios nacionais para o estrangeiro?

- o fecho de maternidades, centros de saúde e hospitais?

- a tentativa de controlo e de censura aos meios de comunicação social?

- a perseguição a sindicalistas e manifestantes?

- etc.,

- etc.,

- etc.,?

 

Meus senhores:

Antes de decidirem celebrar o que quer que seja, olhem para o país real, vistam a pele do português, sintam as suas dificuldades diárias, as duas dores, os seus medos, as suas incertezas, e depois digam-nos se ainda têm vontade de celebrar seja o que for.


Jamé...:
Música: Relato Leixões vs F.C. Porto, na TVI


Terça-feira, 29 de Janeiro de 2008
Sócrates e as fitas p'rà televisão!

Mais uma vez, o primeiro-ministro insurgiu-se contra as manifestações promovidas pela CGTP, garantindo que estas não o afectam. Desta vez foi anteontem, no Porto, onde Sócrates presidiu à criação do Instituto de Investigação  e Inovação em Saúde (I3S). O primeiro-ministro desvalorizou o protesto levado a cabo por cerca de 50 apoiantes da CGTP, dizendo que eram apenas fitas para a televisão. José Sócrates deve saber do que fala. Qualquer apresentação pública de uma nova medida ou o lançamento de um novo projecto do Governo são preparados ao mais ínfimo pormenor, como se de uma peça de teatro se tratasse, para que tudo fique bem no retrato. Enquanto jornalista, tal como vários colegas da imprensa escrita, já apanhei muitas "secas" porque as cerimónias oficiais nunca começam sem a presença das camâras de televisão. E o que dizer da apresentação pública do Plano Tecnológico, no ano passado, no Centro Cultural de Belém, quando o Governo contratou 10 crianças (a quem pagou 30 euros) para que fossem figurantes nessa mesma cerimónia? 

Mais grave do que um primeiro-ministro com memória curta, é um primeiro-ministro que considera que o povo não tem memória!


Jamé...:
Música: Programa "Bola Branca" na Rádio Renascença


Me, myself & I
Pesquisar neste blog
 
Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


Posts recentes

Sugestão de Passeio

Mau serviço dos STCP

SPOOOORTIIIING

Erros de arbitragem: Spor...

Porque hoje é domingo...

Muralha de aço

Celebrar o quê?

Sócrates e as fitas p'rà ...

Memórias

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

tags

todas as tags

Outros Jamé!
Bibliografia
"Génese e desenvolvimento do movimento feminista português (1890-1930)", dissertação de mestrado em História do século XX, FCSH/UNL, Abril de 2005
Em co-autoria: "Memórias da Siderurgia - Contribuições para a História da Indústria Siderúrgica em Portugal", coordenação Maria Fernanda Rollo, ed. História e Câmara Municipal do Seixal, 2005
É @ visitante nº...
Free Counter
Free Counter
Publicidade

Visit Animal friends from Europe
Locations of visitors to this page
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds