... ou a arte de bem fazer política à portuguesa

Segunda-feira, 28 de Setembro de 2009
E agora, José?

Sem surpresa, o PS venceu estas eleições legislativas. Digo "sem surpresa" porque, como referiu João Miguel Tavares no «Governo Sombra - extraordinário» (TSF) de ontem à noite, entre José Sócrates e Manuela Ferreira Leite, sem dúvida que o líder socialista dá um melhor primeiro-ministro. Mas esta é apenas uma meia-vitória, pois não tendo o PS maioria no Parlamento, terá que aprender a negociar, à Esquerda ou à Direita, para que consiga a aprovação dos seus projectos. Caso contrário, como já vaticinou o socialista João Cravinho, este novo governo não durará mais de dois anos.

 

 

José Sócrates apelidou de «extraordinária» a vitória do PS nestas eleições legislativas. O que tem de extraordinário perder meio milhão de votantes? O que tem de extraordinário perder 25 deputados? O que tem de extraordinário conseguir mais votos do que o PSD, cuja líder, sem chama, chegou a admitir publicamente que não se candidatou à liderança do partido para ocupar o lugar de primeira-ministra?

 

 

O secretário-geral do PS disse ontem que ainda era cedo para falar na constituição do novo executivo. Mas há uma questão que o povo português merece que seja rapidamente esclarecida: que José Sócrates vai liderar o novo Governo? O José Sócrates que governou nos últimos quatro anos, egocêntrico, autoritário, que lida mal com a liberdade de expressão e que preza demasiado a sua vida privada, ou o José Sócrates da campanha eleitoral, humilde, companheiro, que reconheceu os erros e as falhas de governação, que até invocou os filhos e a namorada para conseguir a simpatia do povo? Fica a pergunta!

 

 




Quinta-feira, 2 de Julho de 2009
O Estado da Nação - Manuel Pinho no seu melhor!



Quarta-feira, 24 de Junho de 2009
Um Governo decente... não mente!

A ânsia em querer esconder da opinião pública tudo o que possa beliscar a imagem do Governo dá azo a situações destas. Principalmente, quando se trata de um Governo desgastado, em que o maestro parece já não conseguir com que os seus ministros toquem todos ao mesmo ritmo. Se não, vejamos! Enquanto no plenário, o primeiro-ministro, em resposta a Paulo Rangel (PSD), dizia que Carlos Guerra tinha apresentado a demissão - e esta tinha sido aceite - do cargo de gestor do Programa de Desenvolvimento Rural (PRODEP) há uma semana, depois de ter sido constituído arguido no âmbito do caso Freeport, cá fora, o ministro da Agricultura dizia aos jornalistas que ia "esta tarde" ter uma reunião "com o senhor arquitecto" para falar sobre o assunto. No plenário, José Sócrates dizia que já tinha sido tomada a decisão de nomear um substituto, que é o que "um Governo decente deve fazer". Cá fora, Jaime Silva assegurava que só tomaria uma decisão depois da "tal" reunião. Para um Governo liderado por um primeiro-ministro que se arroga combatente da mentira, este episódio nada abona em seu favor!




Me, myself & I
Pesquisar neste blog
 
Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


Posts recentes

E agora, José?

O Estado da Nação - Manue...

Um Governo decente... não...

Memórias

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

tags

todas as tags

Outros Jamé!
Bibliografia
"Génese e desenvolvimento do movimento feminista português (1890-1930)", dissertação de mestrado em História do século XX, FCSH/UNL, Abril de 2005
Em co-autoria: "Memórias da Siderurgia - Contribuições para a História da Indústria Siderúrgica em Portugal", coordenação Maria Fernanda Rollo, ed. História e Câmara Municipal do Seixal, 2005
É @ visitante nº...
Free Counter
Free Counter
Publicidade

Visit Animal friends from Europe
Locations of visitors to this page
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds