... ou a arte de bem fazer política à portuguesa

Segunda-feira, 22 de Junho de 2009
O melhor amigo do homem

A propósito da crónica de Joel Neto na Notícias Sábado

 

Só alguém que nunca conviveu com um cão e que é profundamente desconhecedor dos benefícios que essa relação pode ter no desenvolvimento de uma criança, na melhoria da vida de idosos e de pessoas portadoras de algum tipo de deficiência, no bem-estar de todos nós, em geral, pode perguntar "Para que serve um cão?".

 

 

Só alguém que nunca experimentou chegar a casa, depois de um dia em que todos parecem ter-nos abandonado, e encontrar um ser feliz por nos ver, em nos confortar sem nada pedir em troca, pode perguntar "Para que serve um bicho que nos enche a casa de pêlos e que nos rasga a roupa?

 

 

Só alguém que verdadeiramente recusa reconhecer o trabalho desenvolvido pelos cães ao serviço das corporações de bombeiros, das polícias e dos exércitos, dos cães-guias, etc., pode classificar o cão como "um bicho completamente estúpido".

 

 

"A compaixão pelos animais está intimamente ligada à bondade de carácter e pode ser seguramente afirmado, que quem é cruel com os animais, não pode ser um bom Homem"

(Arthur Schopenhauer)




Segunda-feira, 12 de Janeiro de 2009
A crise e o abandono de animais

Um dos sinais mais fiáveis de que a crise económico-financeira bateu à porta das famílias portuguesas poderá ser o aumento do número de animais abandonados. Basta estar atento aos jornais e ao trabalho das várias associações de acolhimento de cães e gatos desamparados e aos canis municipais para perceber que, de facto, há uma correlação directa entre uma e outra. As famílias vêem os seus rendimentos diminuir e começam a cortar nas despesas que consideram supérfluas, neste caso, as que dizem respeito à alimentação e cuidados médicos dos seus animais de estimação.

 

 

Este é, para mim, um assunto bastante caro. Não entendo, nem quero entender, como é possível alguém abandonar aquele que é um companheiro fiel, muitas vezes, mesmo quando maltratado e agredido. Desde criança que vivo rodeada de animais, a maioria dos quais adoptados, e não me imagino a viver sem a presença deles. A minha actual cadela, a Pantufa, foi encontrada junto a um contentor do lixo juntamente com os irmãos, há mais de oito anos e, desde então, permanece comigo. Acreditem que é uma óptima companheira, nas boas e nas más horas. Tenho também uma ave, a Lira, da família dos papagaios, que viu o seu futuro negro quando a dona morreu e a família não tinha muita vontade de ficar com elas. E ainda uma rola-da -índia fêmea que um dia se enamorou da rola macho que eu já tinha e que não saía de perto da gaiola deste.

 

 

Sempre que posso, tento sensibilizar a família, os amigos e os colegas para a importância da adopção de animais abandonados e dos benefícios que estes trazem ao bem-estar pessoal e familiar. Sempre que posso, encaminho as iniciativas das associações de defesa dos animais e os divulgos os pedidos de ajuda que me chegam das mais variadas formas. Hoje, decidi aproveitar este espaço para divulgar mais um, respeitante a duas ninhadas (8 cães no total) abandonadas na Quinta da Beloura, em Sintra. Deixo-vos aqui duas fotos. Quem puder ajudar e esteja interessado em mais informações, contactem-me através do e-mail fatima.mariano@gmail.com

 

 

 




Segunda-feira, 8 de Dezembro de 2008
Cães com donos (potencialmente) perigosos!

A propósito das sempre controversas discussões sobre a existência ounão raças de cães potencialmente perigosos, quando se sabe de mais um ataque de canídeos a um ser humano, transcrevo um texto de opinião de Barra da Costa, o qual subscrevo na íntegra:

 

 

"A CARAVANA

 

Legislação populista (condenando de imediado o animal «criminoso») baseada no preconceito (o caminho mais fácil para desculpabilizar o humano bom) classifica hoje certos animais como potencialmente perigosos. Eu defendo que há, por exemplo, cães com potencial e donos perigosos, caso do funcionário municipal alcoolizado que há dias, frente aos filhos incrédulos, disparou a caçadeira sobre o cão da família, que depois deitou ao lixo. Nada justifica, porém, que o ministro da Agricultura afirme que os animais ditos «de ataque» têm de estar fechados e que «isto» não se resolve com campanhas de sensibilização. Ignorou que é pela socialização e educação que se deve actuar e acabou, afinal, por propor «aquilo» que os marginais fazem para tornar os cães agressivos. Miguel Sousa tavares garantiu tamb´m que nunca conheceu um dono de Pitbull ou Rottweiler que fosse equilibrado e comparou estes animais a armas de fogo. Esqueceu os condutores assassinos, os traficantes de droga, ou os verdadeiramente perigosos portadores de estupidez.

Enquanto não se avaliam os animais pelo que são e não por aquilo que pessoas supostamente racionais podem fazer com eles, coloquem-se açaimos nuns e máscaras anti-contaminação de ignorância noutros. E que regresse a fogueira para as bruxas, o azeite a ferver e os esquartejamentos na avenida. E perpetue-se a tradição das touradas, de qualquer tipo. Mas não se esterilizem os cães. Eu também não gostava de ladrar a esta malta. Mas tem de ser."

 

(Jornal de Notícias, 6 de Dezembro de 2008)

 




Me, myself & I
Pesquisar neste blog
 
Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


Posts recentes

O melhor amigo do homem

A crise e o abandono de a...

Cães com donos (potencial...

Memórias

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

tags

todas as tags

Outros Jamé!
Bibliografia
"Génese e desenvolvimento do movimento feminista português (1890-1930)", dissertação de mestrado em História do século XX, FCSH/UNL, Abril de 2005
Em co-autoria: "Memórias da Siderurgia - Contribuições para a História da Indústria Siderúrgica em Portugal", coordenação Maria Fernanda Rollo, ed. História e Câmara Municipal do Seixal, 2005
É @ visitante nº...
Free Counter
Free Counter
Publicidade

Visit Animal friends from Europe
Locations of visitors to this page
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds