... ou a arte de bem fazer política à portuguesa
Segunda-feira, 2 de Março de 2009
A mentira tem perna curta

Continente do Centro Comercial Vasco da Gama. Lisboa.

Manhã de sábado. Enquanto arruma as compras nos sacos, Maria vê-o passar. Com o seu fato cinza claro de sempre, o mesmo cabelo grisalho com ar seboso, boné na cabeça. Corre apressado atrás daquela que presume ser a mulher, que vai já uns passos à frente. Maria nem quer acreditar no que os seus olhos vêem. Por momentos, pensar estar a ter uma alucinação, mas não. Aquele homem, aquele mesmo homem que ali vai, com passo apressado, é o mesmo que todos os dias lhe bate no vidro do carro, quando ela pára no sinal vermelho, e com uma voz entaramelada lhe pede: "Por favor. Esmola!" Calça arregaçada na perna direita, para mostrar uma meia elástica e o aparelho mecânico que têm na perna e que o obriga a coxear. Esse mesmo homem, acabou de passar frente a ela com passo ligeirinho...

 

 

Paragem de autocarro. Centro do Porto.

"Não sabe respeitar a fila?", pergunta Patrícia indignada para a mulher que acabou de entrar no autocarro à sua frente. "Que é que foi?", responde esta, virando-se. Patrícia fica espantada. Esta mulher que agora lhe está a falar de forma agressiva é a mesma que todos os dias, no acesso subterrâneo junto à Estação de São Bento, apregoa "Dêem uma esmolinha à ceguinha", enquanto fixa o olhar no infinito. "Com que então ceguinha, hein? Cegos são aqueles que lhe dão esmola", pensa Patrícia para com os seus botões.

 

 

Rotunda do aeroporto. Lisboa.

Todos os dias, quando Joaquim chegava à rotunda do aeroporto, lá estava o mesmo homem, com a mão estendida, a pedir esmola aos automobilistas. Dizia que por ser maneta não podia trabalhar e, por isso, passava fome. Um dia, Joaquim olhou com mais atenção para o homem e havia algo nele que não fazia sentido. Durante alguns segundos, Joaquim ficou confuso, até que finalmente percebeu: o homem que ontem não tinha o braço esquerdo, hoje apresentava-se sem o braço direito. Continuava maneta, mas de um braço diferente.

 

 

Restaurante típico. Beira baixa.

Aquele homem que acabara de entrar no restaurante com a mulher e os filhos não lhe era desconhecido. Graça sabia que aquela cara lhe era familiar, mas não sabia de onde. O homem e a família sentaram-se e foram recebidos pelo proprietário do restaurante, que os tratou de forma bastante afável. Graça olhava fixamente aquela cara até que se lhe fez luz. Aquele homem era o mesmo que todos os dias encontrava em Lisboa, quando ia trabalhar, a pedir esmola. Quando acabou de almoçar, Graça dirigiu-se ao dono do restaurante e perguntou-lhe quem era aquele homem. Este explicou-lhe que se tratava de um dos homens mais ricos da região, proprietário de vários terrenos e empresas. Graça nem queria acreditar no que ouvia.




1 comentário:
De Aeroporto de Alcochete a 4 de Março de 2009 às 15:48
Pornográfico não acha?
Por vezes o que parece é, outras a necessidade obriga.
Nem sempre os animais são abandonados por pessoas incivilizadas, consta-se que na maioria das vezes são senhores e senhoras que só têm de se deslocar ao estrangeiro por uns dias e não lhes apetece pedir à tia para ficar com o cão ou o gato, porque já tem muitos lá em casa.
Aproveito para comentar aos pares, já que temos de ficar por aqui quando se defendem princípios e se dão exemplos práticos que os contrariam.
A propósito, tem muitos animais em casa?


Comentar post

Me, myself & I
Pesquisar neste blog
 
Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


Posts recentes

Porque hoje é domingo....

Porque hoje é domingo...

Porque hoje é domingo....

Sugestão de solidariedade

Sugestão de solidariedade

Haja coerência!

Dar o exemplo

Porque hoje é domingo...

Sugestão de passeio

Porque hoje é domingo....

Memórias

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

tags

todas as tags

Outros Jamé!
Bibliografia
"Génese e desenvolvimento do movimento feminista português (1890-1930)", dissertação de mestrado em História do século XX, FCSH/UNL, Abril de 2005
Em co-autoria: "Memórias da Siderurgia - Contribuições para a História da Indústria Siderúrgica em Portugal", coordenação Maria Fernanda Rollo, ed. História e Câmara Municipal do Seixal, 2005
É @ visitante nº...
Free Counter
Free Counter
Publicidade

Visit Animal friends from Europe
Locations of visitors to this page
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds